Robôs montadores fazem grandes estruturas usando pequenas peças


O objetivo de longo prazo é que robôs simples possam ser capazes de montar qualquer equipamento, de máquinas a aviões.

Demonstrações dos robôs relativos montando estruturas celulares 1D, 2D e 3D.

Demonstrações dos robôs relativos montando estruturas celulares 1D, 2D e 3D.

Robôs relativos

Ainda não chegamos nem perto dos microrrobôs do filme Big Hero, mas as primeiras versões já conseguem ensaiar a montagem de estruturas de porte maior do que os próprios robôs.

Além disso, os robôs podem se unir em equipes para construir estruturas maiores.

O objetivo de longo prazo de Benjamin Jenett e Neil Gershenfeld, do MIT, nos EUA, é que robôs simples possam ser capazes de montar qualquer equipamento, de máquinas a aviões, e até mesmo aldeias espaciais na Lua ou em Marte.

"O que está no coração disso é um novo tipo de robótica, que chamamos de robôs relativos," disse Gershenfeld.

Historicamente, explica ele, existem duas grandes categorias na robótica - aqueles feitos com componentes personalizados e caros, que são cuidadosamente otimizados para aplicações específicas, como os robôs industriais para montagens nas fábricas, e aqueles feitas com módulos de produção em massa de baixo custo, mas com desempenho muito inferior.

Este novo conceito de robô é uma alternativa para ambos. Os robôs são muito mais simples do que aqueles da primeira categoria, mas muito mais capazes que os da segunda categoria. A nova abordagem estabelece uma estreita relação entre o dispositivo robótico e os materiais que ele deve manipular. "Você não pode separar o robô da estrutura - eles funcionam juntos como um sistema," descreve Gershenfeld.